Polícia quebra sigilo telefônico de vereadores para apurar vínculo com morte de Marielle

Policia

sigilomarielle

A Divisão de Homicídios da Polícia Civil conseguiu na Justiça a quebra do sigilo telefônico de vereadores da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, para apurar possível ligação com a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março passado.

Os investigadores querem saber se o número do celular do motorista do carro usado no crime fez contatou com algum dos parlamentares nas horas próximas à execução.

As informações são do site The Intercept Brasil. Até agora, oito vereadores foram ouvidos, mas todos na condição de testemunhas. O mais recente aconteceu nesta quinta-feira (6), quando Jair Barbosa Tavares, o Zico Bacana (PHS), foi convocado para explicar por que recebeu em seu gabinete três homens - entre eles um ex-policial militar indiciado na CPI das Milícias, na qual Marielle atuou -, horas antes do crime. Ele disse que não lembrava da participação de Marielle na CPI das Milícias, nem mantinha muito contato com a vereadora do PSOL. De acordo com a publicação, Zico Bacana estava sumido da Câmara desde o assassinato da vereadora.

No dia seguinte aos homicídios, enquanto os corpos eram velados no salão nobre da Câmara, o parlamentar comemorava o nascimento de um filho. Na última quarta-feira (4), Zico Bacana voltou à Câmara com a certidão de nascimento do bebê, para justificar as ausências nas últimas seis sessões.

Fonte: BN