Setembro Amarelo: epidemia de suicídio é tema de palestra em Praia do Forte

Mata de São João

 

Estudantes da Escola Estadual Alaor Coutinho no Açuzinho, próximo à Praia do Forte, participaram na última sexta feira (14) da palestra promovida pelo grupo Nós com as temáticas, existência, cultura e suicídio. Voluntários, o sociólogo Antônio Mateus Soares e o psiquiatra Victor Pablo Silveira, falaram para os jovens, de maneira didática, sobre a saúde mental da sociedade brasileira e por quais motivos estamos alcançando números alarmantes de pessoas que comentem o atentado contra a própria vida.

“As campanhas que abordam a prevenção do suicídio tem como objetivo esclarecer não apenas a sociedade em geral, mas o suicida em particular”, afirmou o psiquiatra Victor Paulo que elucida ainda ser um pico emocional da patologia o gatilho para a ação.

Antônio Mateus afirma que segundo estudos realizados pelo antropólogo, David Émile Durkheim, a cultura e o clima de um país tem relação com os números do suicídio. Em localidades com clima frio o número de ocorrência é assustador. O Sociólogo continua exemplificando que no Brasil as regiões como o sudeste e o sul registram os maiores números de casos.

Maria do Socorro, gestora da unidade escolar localizada no município de Mata de São João, afirmou que essas ações ocorrem durante todo o ano na unidade, com encontros quinzenais tendo a saúde mental como pano de fundo para as várias temáticas discutidas.

“As pessoas devem estar atentas aos sinais de distúrbios. Temos que ter a consciência que não é uma frescura ou algo sem importância. Conheço alguns casos e a preocupação de debater esse assunto no ambiente escolar é fundamental. Isso também nos prepara para poder ajudar colegas e familiares.” Afirmou Livia Silva, estudante do Alaor Coutinho.

Divulgado em 2017 o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra que:

Entre 2011 e 2016, observou-se aumento dos casos notificados de lesão autoprovocada nos sexos feminino e masculino de 209,5% e 194,7%, respectivamente.

A análise das notificações de tentativa de suicídio em mulheres mostrou que 53,2% eram brancas e 32,8% negras (pardas + pretas). Quanto à escolaridade, 28,5% delas apresentavam ensino fundamental incompleto ou completo e 25,5% ensino médio incompleto ou completo. A ocorrência de tentativa de suicídio se concentrou nas faixas etárias de 10 a 39 anos, representando 73,1% dos casos. A grande maioria delas, 92,1%, residia na zona urbana.

Entre os homens notificados por tentativa de suicídio, 52,2% eram brancos e 34,8% negros (pardos + pretos). Com relação à escolaridade, 30,1% deles apresentavam ensino fundamental incompleto ou completo e 22,6% ensino médio incompleto ou completo. Em 71,1%, os casos ocorreram nas faixas etárias de 10 a 39 anos. A presença de deficiência/transtorno foi identificada em 27,7% desses homens. A grande maioria deles, 89,9%, residia na zona urbana.

O boletim pode ser conferido na integra em: http://portalms.saude.gov.br

{jcomments off}