Igreja de Sant´Ana inaugura memorial em homenagem aos revolucionários Maria Quitéria e Padre Roma

Cultura e Artes

igrejacapa8

A Igreja de Sant'Ana, localizada no bairro Nazaré, em Salvador, inaugurou, neste domingo (08.04), às 9h, durante missa especial, o memorial em homenagem aos heróis Maria Quitéria e Padre Roma, personagens revolucionários que lutaram contra a monarquia e cujos restos mortais se encontram no ossuário da igreja. A baiana Maria Quitéria morreu em 21 de agosto de 1853; Padre Roma foi fuzilado em Salvador em 29 de março de 1817 e seu corpo foi levado à Sant´Ana por paroquianos que comungavam da sua luta. O memorial faz parte da restauração de todo ossuário da igreja, construída em 1747.

Maria Quitéria (1792-1853) foi uma heroína na luta de reconhecimento da independência. Possuia grande habilidade no uso de armas de fogo e lutou como voluntária contra as províncias que não reconheciam Dom Pedro como imperador. Ela teve atuação destacada em lutas importantes. Foi condecorada com a Ordem Imperial do Cruzeiro do Sul. Natural da fazenda Serra da Agulha, na freguesia São José de Itapororocas, (hoje Feira de Santana), tornou-se exemplo de bravura nos campos de batalha, sendo promovida a cadete, em 1823. Maria Quitéria faleceu em Salvador, Bahia, no dia 21 de agosto de 1853, quase cega e em total anonimato.

quiteriasegunda8

Já o advogado pernambucano José Inácio Ribeiro de Abreu e Lima, conhecido como padre Roma, foi fuzilado no Campo da Pólvora, em Salvador, há 200 anos. Ele foi um dos líderes da Revolução Pernambucana de 1817. Viera à Bahia buscar apoio para o levante - irrompido três semanas antes em Recife - que pretendia derrubar a Monarquia, separar o Brasil de Portugal e implantar a República. A Revolução Pernambucana de 1817 forma, ao lado da Inconfidência Mineira (1789) e da Revolução dos Alfaiates, na Bahia (1798), o conjunto das maiores revoltas separatistas ocorridas no Brasil.

Segundo o pároco da igreja, padre Abel Pinheiro, no ossuário se encontram ainda os espólios de pessoas importantes para a sociedade da época e também diversos religiosos. Entre as famílias importantes, se destacam a família Caymmi (1903); família Brigadeiro Francisco Vieira de Faria Rocha (1833) e família Conselheiro João José de Almeida Couto, o Barão do Desterro (1900).

ossuarioterceiro8

Nos séculos passados, lembra Abel Pinheiro, a Igreja Católica exigia que cada paróquia possuísse um cemitério contiguo. Já no século XX o cemitério transformou-se em ossuário. O costume só deixou de ser presente após a década de 1850, quando começaram a surgir as primeiras noções de higiene pública. Segundo teorias, o ar poluído pela decomposição dos corpos poderia disseminar doenças. O ossuário de Sant´Ana também abriga os espólios mortais de sacerdotes, como monsenhor Francisco Ayres de Almeida Freitas, monsenhor José Gilberto de Luma e monsenhor Eugênio Veiga.

 

Fonte: Ascom