Setembro Amarelo: Estudantes de Praia do Forte debatem sobre vida mental na sociedade contemporânea

Educação

suicidioestudantespf

O Colégio Estadual Alaor Coutinho, localizado em Praia do Forte, no município de Mata de São João, promoveu, nesta sexta-feira (14), o debate '(In) Existência, Cultura, Suicídio', para estudantes e comunidade escolar. De caráter multidisciplinar, a ação integra o Setembro Amarelo nas escolas e tratou sobre a vida mental na sociedade contemporânea e suas desordens. A mesa redonda contou com a participação do sociólogo Antônio Mateus Soares e do psiquiatra Victor Pablo Silveira.

“As campanhas que abordam a prevenção do suicídio têm como objetivo esclarecer não apenas a sociedade em geral, mas o suicida em particular. É necessário, sim, falar sobre o assunto, isso ajuda a pessoa a se sentir mais à vontade para falar de sintomas ou problemas pelos quais está passando e, dessa forma, procurar ajuda. O suicídio normalmente acontece num pico de emoção da patologia e um pequeno acolhimento pode mudar uma história”, explicou o psiquiatra Victor Pablo.

A diretora da unidade, Maria do Socorro, destaca a importância de tratar o assunto no ambiente escolar. “Trabalhamos com essa temática durante todo o ano. Mantemos aqui um grupo de apoio quinzenal que discute diversos tópicos sobre a saúde mental. Com o Setembro Amarelo, intensificamos essas ações e trouxemos este debate que foi sugerido pelos parceiros do grupo Nós, que estão atuando com essas atividades em lugares da região”, disse.

Segundo a estudante do 1º ano, Livia Silva, 16 anos, essa oportunidade proporciona adultos e jovens tenham uma melhor orientação sobre o assunto. “As pessoas devem estar atentas aos sinais de distúrbios. Temos que ter a consciência que não é uma frescura ou algo sem importância. Conheço alguns casos e a preocupação de debater esse assunto no ambiente escolar é fundamental. Isso também nos prepara para poder ajudar colegas e familiares”, ressaltou.

Filme Ferrugem – Neste sábado (15), outra ação do Setembro Amarelo foi realizada com a participação de professores e estudantes da rede estadual. Trata-se da exibição, às 15h, do filme Ferrugem, no Espaço Itaú de Cinema, na Praça Castro Alves. A entrada foi gratuita para educadores (com alguma comprovação da profissão), e contou com palestra do superintendente de Políticas para a Educação Básica, Ney Campello. “Baiano de Mairi, o diretor do longa, Aly Muritiba, propiciou reflexões sobre cyberbullying, juventude e relações familiares, num mundo de imagens e valores líquidos. 

 

Fonte: Ascom